Bem-Vindo!

Ao site do Lokaos Rock Show.


ROCK DE VERDADE, COMO DEVE SER MOSTRADO!

Colaremos:

18/09/2014 03:21

Lokaos entrevista Dave Lombardo (ex-Slayer)

Author: lokaos

10606430_10152253161407447_3434786658075900538_n

 

Julia Bueno entrevistou o lendário baterista Dave Lombardo, ele fala sobre sua passagem pelo Brasil, Slayer, projetos futuros e muito mais, confira:

Pauta – Edu Rox e Nacho Belgrande
Tradução – Nacho Belgrande
Gravação – Gabriel Carvalho
Edição – Jonas Souza
Agradecimentos – Manifesto Bar e Bateras Beat

20/10/2014 11:26

Bill Ward: ‘Quer aprender bateria? Ouça a Lars Ulrich’

Author: NachoBelgrande

640x360 (4)

O baterista original do BLACK SABBATHBILL WARD, fez uma bela homenagem a LARS ULRICH, do METALLICA, chamando-o de um performer ‘excepcional’.

E o veterano músico, cuja relação com o Sabbath desintegrou-se durante as negociações para uma reunião em 2012, acredita que ele e Ulrich passaram por situações parecidas em suas carreiras.

Ward disse em seu programa na web radio Rock 50: “Lars é espiritualmente são – eu gosto muito disso. Muitos dos caminhos pelos quais Lars passou, eu também passei.”

Eu acabei podendo usar sejam lá quais forem meus talentos, e utilizar isso fosse lá em que tipo de música fizéssemos. Então é meio tipo, ‘É isso que eu tenho’. Eu me lembro de passar por um período, provavelmente 26 anos atrás, onde parei de competir. Eu tinha que descobrir o que conseguia fazer e fazer bom uso daquilo. Parece que Lars chegou a esse patamar também. E eu acho que ele faz um excelente trabalho.”

Ele afirma que estudantes de bateria fariam bem ao estudar a abordagem de Ulrich ao instrumento. “Suas criações levaram o som do Metallica ao limite da vanguarda do Metal. Há tantas coisas em todas aquelas músicas que são pontos de partida – outros bateristas podem olhar praquilo e concluir, ‘Bem, isso não existia antes.’”

Se você está aprendendo a tocar bateria, ouça a Lars, cara. Ele tem coisas muito boas com as quais você pode aprender.”

 

O guitarrista do ANTHRAXSCOTT IAN, lembra do plano do Metallica para demitir LARS ULRICH na metade dos anos 80.

Ian, que lançou essa semana seu livro, “I’m The Man: The Story Of That Guy From Anthrax”, afirma que ele não acredita que eles teriam ido até o fim com isso, mas ele confirma que a reposição do baterista foi bastante discutida.

O fundador do Anthrax ficou próximo do Metallica nos anos 80, quando as duas bandas excursionaram juntas. Ele ouviu o plano para ejetar Ulrich, que teria sido bolado durante a turnê final de CLIFF BURTON com o Metallica antes de sua trágica morte em um acidente de ônibus em 1986.

Ele contou à rádio 94.3 Kilo: “Muita gente tem me perguntado sobre isso, e essa é uma história que tem circulado por aí faz muito tempo. Eu não estou expondo isso – não é minha intenção. O meu livro não é d revelações. Não é esse tipo de livro.”

“Mas a história é que eles tinham feito um plano para mudar e arrumar um novo baterista. Todos ficamos muito surpresos com aquilo, porque a banda era os quatro. Eu pensei, ‘Wow! Mesmo?’ E eles me disseram, ‘Sim. Quando terminarmos essa turnê, vamos achar outro baterista.’”

“O que é que eu podia fazer? Sendo amigo com todos eles, você se sente, ‘Que pena pro Lars. Isso é uma merda.’ E ao mesmo tempo, você espera que seus amigos possam seguir em frente ou fazer o que eles querem com suas vidas.”

“Claro, a história acabou sendo diferente pro Metallica e eles vieram a se tornar, indiscutivelmente, uma das maiores bandas do planeta. Então eu apenas fico feliz que tudo deu certo pros meus amigos. Foi uma tragédia terrível Cliff ter sido morto naquele acidente de ônibus.”

Apesar de ouvir a banda discutir o futuro de Ulrich, Ian insiste que ele acreditou que aquilo nunca se concretizaria.

Ele completa: “Eu honestamente acho que não teria acontecido. Porque, acredite, eu já pensei bem nisso ao longo dos anos. Eu honestamente acho que a turnê teria terminado e que os ânimos se esfriariam e não acho que a mudança teria ocorrido.”

 

 

Roger-Waters-Italy-2014

ROGER WATERS intimou aqueles que acham que ele ainda é um membro do PINK FLOYD a ‘caírem na real’ depois de várias perguntas sobre o vindouro álbum do grupo.

DAVID GILMOUR e NICK MASON lançarão ‘The Endless River como um tributo ao finado RICK WRIGHT – nas Waters, que saiu da banda em 1985, não está envolvido.

Ele disse em um comunicado: “Algumas pessoas têm perguntado a minha esposa sobre um novo disco que lançarei em novembro. Elas provavelmente estão confusas. David Gilmour e Nick Mason vão lançar um disco. David e Nick formam o grupo Pink Floyd. Eu, por outro lado, não faço parte do Pink Floyd. Eu saí 29 anos atrás. Eu não tive nada a ver com nenhum dos discos de estúdio, ‘A Momentary Lapse of Reason’ e ‘The Division Bell’, nem com as turnês de 1987 e 1994, e não tenho nada a ver com ‘The Endless River’. Isso não é tão difícil, gente – caiam na real.”

Waters e seus antigos colegas de banda resolveram suas diferenças muitos anos atrás, e a última aparição dos quatros membros ocorreu no Live 8 em 2005, três anos antes da morte de Wright em decorrência do câncer. Os três sobreviventes apareceram juntos durante uma performance de Waters para ‘The Wall’ em Londres, 2011.

 

 

O maior colecionador de vinis do Brasil – e de acordo com o jornal estadunidense THE NEW YORK TIMES, do mundo – o empresário do setor de transporte público na cidade de São Paulo José Roberto Alves Freitas, ou ZERO FREITAS, como é conhecido, acaba de ceifar as possibilidades de seu ‘rival’ chegar um dia a lhe suplantar no ‘hoarding’ de discos acumulados.

Zero arrematou 700 mil unidades do igualmente hoarder Manoel Jorge Dias, o MANEZINHO DA IMPLOSÂO, por um valor que o próprio Freitas declara ter sido de ‘R$1 ou menos por disco’. Manezinho corrobora que foi ‘por um valor bem abaixo do de mercado’.

Manezinho

MANEZINHO

Manezinho é engenheiro de implosões e em seu currículo estão as implosões do presídio do Carandiru e vários edifícios de São Paulo. Ele era tido como o maior colecionador – adjetivo que ele refuta: ‘sou um acumulador’ – de vinis da América Latina até que o NY Times descobriu Zero Freitas e sua megalômana discoteca.

Não fiquei triste. Pensei, ‘finalmente conheci alguém tão xarope quanto eu’”, admite Manoel.

'Zero' Freitas

‘ZERO’ FREITAS

A compra foi fechada durante um almoço entre os dois na semana passada em São Paulo, quando os dois ficaram sabendo que seus pais são oriundos de vilarejos a 30km de distância um do outro em Portugal.

Uma porção do acervo de Manoel, contudo, não entrou no acordo, e está à venda no recém-inaugurado Casarão do Vinil, no bairro da Mooca, de onde ele espera lucrar mais de 300 mil reais.

 

56th GRAMMY Awards - Press Room

BLACK SABBATH gravará um disco derradeiro juntos, disse OZZY OSBOURNE à edição bretã da revista especializada METAL HAMMER.

As lendas do metal irão reunir-se com o produtor RICK RUBIN mais uma vez para gravar o sucessor do altamente bem-sucedido ‘13’, de 2013.

Falando com a igualmente inglesa Classic Rock no fim do ano passado, Ozzy, Tony Iommi e Geezer Butler foram hesitantes sobre a possibilidade de fazerem um último disco do Sabbath – “Eu não sei se isso seria a coisa certa a se fazer”, admitira Iommi. “Mas quem sabe? A história dessa banda me ensinou a nunca dizer nunca” – mas o frontman Ozzy agora afirma que a banda irá começar a trabalhar no disco ano que vem.

A experiência do Sabbath dessa vez foi ótima”, diz Ozzy. “Todos fizemos amigos, não ficamos de palhaçada, todos sabíamos que tínhamos trabalho pra fazer, e o fizemos. Foi muito divertido. Então faremos mais um disco, e uma última turnê. Tão logo a poeira assentou depois da última turnê, começamos a discutir a ideia, porque sempre nos perguntavam a respeito, o tempo todo. Eu disse a Sharon, ‘O que está rolando? Porque se não houver mais Sabbath, eu quero seguir com minha carreira solo de novo’ E ela respondeu, ‘Ah, eu ainda tenho que conversar e tudo mais…’ e eu mandei, ‘Sharon, eu não tenho mais 21 anos, se formos fazer isso, eu quero fazê-lo antes dos meus 70 anos!’ O tempo não está do nosso lado! Ela fez umas ligações e voltou e disse, ‘Sim, a gravadora quer outro álbum’. Eu acredito que Rick Rubin vai gravá-lo conosco de novo.”

Apesar de o trio não ter material novo composto para o que será seu décimo-quarto disco de estúdio, Osbourne adianta que as sessões começarão na alvorada de 2015.

Vai ser o quanto antes”, insiste o crooner. “Obviamente, muito depende da saúde de Tony, ele tem o tratamento dele contra o câncer, mas vamos fazer isso ano que vem. Eu não sei se escreveremos na Inglaterra ou em Los Angeles, mas eu vou até a porra da Lua, se eu tiver que ir!