16/04/2012 15:57

Vince Neil: Vocal toma tombo no palco de seu lupanar

Author: NachoBelgrande

As coisas tendem a dar certo para VINCE NEIL. O músico disse algo do tipo no lendário episódio do Behind The Music, do canal VH1, e ao curso do último fim de semana, o roqueiro mais uma vez mostrou sua casca-grossa, quicando de volta do que poderia ter sido uma embaraçosa queda no palco.

O tropeço veio enquanto Neil cantava ‘Girls Girls Girls’ em seu recém-inaugurado strip club do mesmo nome, em Las Vegas. O vocalista de 51 anos calculou mal um pulo do palco para uma plataforma, e apesar de ter escorregado, ele fez com que tudo parecesse uma manobra friamente calculada, se arrastando pra frente do palco com uma tropa de damas avias por sua atenção.

É  clássico momento ‘de limões para limonada’. Assista ao vídeo clicando AQUI.

16/02/2012 17:12

Mötley Crüe: Mick Mars sola com holografias de si mesmo

Author: NachoBelgrande

O site Classic Rock Revisited postou uma resenha do show do dia 10 de fevereiro do MÖTLEY CRÜE no The Joint, em Las Vegas. Um trecho traduzido pode ser visto abaixo:

[...] “O set list é em sua maioria de músicas de 1989 pra trás, e com quatro músicas do disco de estreia deles. Na verdade, à exceção de três músicas, todas vieram de ‘Too Fast For Love’, ‘Shout At The Devil’, ‘Theater of Pain’, ‘Girls Girls Girls’ e ‘Dr. Feelgood’. As três músicas tocadas de fora do repertório do auge da banda foram ‘Primal Scream’ da compilação ‘Decade of Decadence’, ‘Saints of Los Angeles’, do último disco de estúdio da banda do mesmo nome e ‘Afraid’ de ‘Generation Swine’. A ênfase pesada nos clássicos foi muito bem recebida, já que a plateia cantou cada palavra, e em metade do tempo só com a plateia cantando, enquanto o vocalista Vince Neil apontava seu microfone pro público.

Deve-se notar que Neill, que por muitas vezes foi criticado por cantar fora do tom e ter performances vocais irregulares, nessa noite mereceria uma nota B. Ele se atrapalhou um pouco, principalmente durante a versão acústica de ‘Without You’, onde ele soou como um gato sendo acordado de um sono por alguém pisando no seu rabo. Mas Vince estava tendo problemas com seu monitor de ouvido e não conseguia se ouvir. Durante outras músicas, incluindo ‘Too Fast For Love’ e ‘On With The Show’, ele soou ótimo.

Os vocais de Vince eram tão aceitáveis quanto as execuções meia-boca de guitarra e de baixo que sujavam o som no The Joint. Não foi uma apresentação musical estelar, mas ainda assim foi divertida, alta, e no geral, mais do que suficiente pra qualquer um se esbaldar.

Vamos ser honestos, isso é o Mötley Crüe, não a Sinfônica de Londres. Som embolado e errado é esperado vindos da banda mais doentia e suja a já andar pelos palcos do mundo. As pessoas não querem que o Mötley Crüe soe perfeito, elas querem que eles soem crus e poderosos, e cru e poderoso foi exatamente o que rolou no Hard Rock Hotel naquela noite. A banda tocou um set de clássicos que deixou o público comendo na palma da mão dela.

O ápice musical da noite veio logo depois do segmento acústico, quando o Mötley mandou ‘Looks That Kill’ estrelando um solo de guitarra prolongado de Mick Mars. O guitarrista arrebatou os presentes com um solo assassino no qual ele era acompanhado por dois outros Mick Mars: o de verdade e dois Micks holográficos. Os três tocaram juntos fazendo suas guitarras uivarem e gritarem de dor. No fim do solo, os dois Micks holográficos explodem, restando apenas o original, enquanto a banda voltava ao palco pra emendar com ‘Piece of Your Action’.” [...]

O set list completo da noite foi:

  • ‘Live Wire’
  • ‘Wild Side’
  • ‘Too Fast For Love’
  • ‘Saints Of Los Angeles’
  • ‘Shout At The Devil’
  • ‘Afraid’
  • ‘Same Ol’ Situation (S.O.S.)’
  • – guitar solo -
  • ‘Without You’ (acoustic version)
  • ‘On With The Show’ (acoustic version)
  • ‘Don’t Go Away Mad (Just Go Away)’ (acoustic version)
  • – drum solo -
  • ‘Looks That Kill’
  • ‘Piece Of Your Action’
  • ‘Primal Scream’
  • ‘Dr. Feelgood’
  • ‘Smokin’ In The Boys Room’
  • ‘Girls, Girls, Girls’

Bis

  • ‘Home Sweet Home’
03/02/2012 15:41

Mötley Crüe: Fãs poderão tocar com a banda em Las Vegas

Author: NachoBelgrande

Produção vagabunda definitivamente não está nos planos do MÖTLEY CRÜE para a vindoura residência de 12 shows no Hard Rock Hotel & Casino em Las Vegas. Na verdade, o vocalista VINCE NEIL diz que cada show de mais de duas horas terá ‘efeitos visuais incríveis e coisas que você não esperaria de um show de rock.’

Mas cada noite durante a estada do Mötley Crüe na cidade verá a banda desviar-se de elementos bombásticos e presenciará o grupo dando uma reduzida – das fortes.

Vamos ter uma sessão acústica no meio do show, com coisas que raramente tocamos,” diz Neil. “Haverá muita coisa que, mesmo que você tenha assistido ao Mötley Crüe várias vezes, serão novas para você.” Os fãs podem também aguardar por cadeiras especiais em cima do palco durante o segmento acústico, apesar delas não estarem programadas para todos os shows.

Algumas pessoas nos ligaram e perguntaram sobre participar do show, então vamos ter um lugar no show onde alguém pode subir no palco e tocar conosco,” diz Neil. A temporada do Mötley Crüe em Las Vegas começa hoje e termina no dia 19 de fevereiro. 

Fonte: site ULTIMATE CLASSIC ROCK

24/11/2011 00:16

Mötley Crüe: Grupo fará temporada de 20 shows em Las Vegas

Author: NachoBelgrande

Robin Leach do [jornal estadunidense] Las Vegas Sun, afirma que o MÖTLEY CRÜE se tornará a primeira banda de hard rock a fechar um contrato de ‘banda residente’ em Las Vegas, quando a banda tocar uma série de um mês de shows na cidade, com quatro shows por semana no Hard Rock Hotel, a começar no fim de fevereiro.

O frontman do SLIPKNOT/STONE SOUR, vestido de Elvis Presleyrecebeu aplausos e elogios da plateia’ durante seu show à beira da piscina na noite de sexta-feira passada [dia 5 de agosto] no Hard Rock Hotel em Las Vegas, Nevada. De acordo com o [jornal estadunidense] Las Vegas Sun, Corey Taylor cantou uma séria de covers improváveis, como ‘Jessie’s Girl’ de RICK SPRINGFIELD, ‘Basket Case’ do GREEN DAY, ‘Just What I Needed’, do THE CARS, ‘About a Girl’ do NIRVANA, ‘I Ran’ do FLOCK OF SEAGULLS, ‘Kiss Me Deadly’ de LITA FORD, ‘Livin’ On A Prayer’ do BON JOVI, ‘Stop Draggin’ My Heart Around’ de TOM PETTY [com membros do HALESTORM], ‘Panama’ do VAN HALEN, ‘We Die Young’ do ALICE IN CHAINS, e ‘Mr. Brownstone’ do GUNS N’ ROSES.

Taylor brincou com a platéia: “Todo mundo aqui tem perguntado se eu ia tocar minhas músicas essa noite. De modo algum! Hoje eu estou de folga!

Vídeos da performance de Corey – que foi parte da série SOUNDWAVES – filmados por fãs podem ser vistos clicando AQUI e AQUI.

A série SOUNDWAVES destaca artistas em um ambiente único e intimista nas piscinas do complexo Hotel & Cassino da rede Hard Rock.

Atenção Brasil: o ingresso para esse show que relatamos aqui custou 20 dólares – menos de 40 reais . Reflitam.

Em uma entrevista de 2009, Taylor revelou planos para eventualmente entrar em estúdio para gravar seu disco solo de estreia.

Eu nunca me proibi de nada”, ele disse. “Eu me recusei a aceitar o fato de que eu não possa fazer qualquer tipo de música que eu quiser.” Ele acrescentou, “Eu acho que demorou um minuto para que as pessoas entendessem isso, mas agora estou num ponto onde eu posso fazer qualquer coisa e as pessoas irão levar isso a sério.”
Taylor afirmou que gravar um disco solo daria a ele a chance de compor qualquer tipo de canção que ele quisesse. Ele também revelou que ele tinha escrito cerca de 40 a 50 faixas e estava no processo de decidir quais delas ele iria querer prensadas no disco.

 “É algo que eu gostaria de fazer puramente por mim mesmo,” Taylor explicou. “É algo que eu preciso lançar antes de pensar em continuar com qualquer outra coisa… tanto com o SLIPKNOT como com o STONE SOUR. Eu estou levemente limitado a como eu posso compor e realmente sobre o que posso escrever. A beleza de fazer um disco solo é que eu posso escrever qualquer tipo de canção que eu quiser.

Quando perguntado se ele estava mais próximo de entrar no estúdio para gravar um disco solo, Taylor disse em uma entrevista em dezembro passado, “Sempre há chance de um disco solo. Mas o grande lance de um disco solo é que você leva o tempo que quiser. Eu sempre terei material suficiente para com o qual fazer um disco solo no futuro, mas tem tanta coisa que eu quero fazer agora que isso é minha última prioridade. O STONE SOUR está indo muito bem. É um momento animador para o STONE SOUR. É melhor que eu me foque nas coisas que fazem mais sentido.”

Fonte: site do jornal estadunidense LAS VEGAS SUN